Irrigação por gotejamento versus suspensa (Parte 2)

Categories:
Data: 
Segunda, 22 Maio, 2017

Dissipação dos Mitos

A eficiência da irrigação é mais do que apenas bombear a menor quantidade possível de água. A eficiência de um sistema é determinada por seu desempenho e uniformidade na distribuição, juntamente com a resposta da cultura à irrigação.

A eficiência é o motivo pelo qual vários produtores se tornaram grandes fãs do gotejamento. Os sistemas de gotejamento irrigam com taxas de vazão em torno de 1,8 a 7,5 litros (0,5 a 2 galões) por hora e, normalmente, operam a pressões que variam de 10 a 30 psi. O gotejamento coloca a água diretamente sobre ou próxima das raízes, assim, sistemas bem elaborados podem impulsionar a uniformidade de distribuição em 90 a 95%.

Contudo, os sistemas de aspersores podem ser tão eficientes em economia de água e energia quanto os sistemas de gotejamento.

A maioria dos produtores de frutas e verduras estão familiarizados com aspersores de impacto. Comparados aos sistemas de gotejamento, esses aspersores normalmente necessitam de taxas e pressões mais altas para operar e o vento facilmente afeta seus padrões de distribuição. Eles também oferecem menos uniformidade. Isso torna o gotejamento uma escolha óbvia para qualquer um que estiver em busca de economizar custos com água e energia.

Na realidade, os sistemas de aspersores usam entre 1,8 a 75,5 litros (0,5 a 20 galões) de água por minuto. Além disso, eles precisam de apenas 10 a 30 psi para operar, dependendo do modelo selecionado. Sistemas bem elaborados com modelos feitos para resistência a evaporação e à força do vento também podem irrigar com 90 a 95% de uniformidade.

Uma comparação lado a lado de uso de água, uso de energia e uniformidade de distribuição entre irrigação por gotejamento e suspensa revelaria que ambos os sistemas são muito eficientes. O gotejamento supera por pouco os sistemas suspensos em economia de água quando é levada em consideração a quantidade de tempo que cada sistema deve operar.

Esse ligeiro aumento na economia de água faz a mudança para o gotejamento parecer lógica o suficiente. No entanto, uma análise mais detalhada demonstra que, apesar dos benefícios da irrigação por gotejamento, esses sistemas geralmente são acompanhados por um alto custo com equipamentos e aplicações limitadas.

Como R.L. Tinsley, da Inma Irrigation Water Management, & Soil Reclamation Specialist, afirma: “O gotejamento é talvez a forma de irrigação mais fortemente promovida, especialmente por aqueles que não precisam pagar por ela, operá-la ou mantê-la”.


Saber mais

Parte 3: Comparação de versatilidade do sistema: desde a germinação até a proteção contra congelamento

Parte 4: Você tem tempo para isso?: Comparação de necessidades e custos de gerenciamento

Parte 5: Viabilidade financeira e lucros: Investimento em gotejamento e aspersores

Mais Notícias